quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Escolas reproduzem exclusão digital

Escolas reproduzem exclusão digital PDF Imprimir E-mail

As escolas brasileiras, em vez de reduzir a chamada brecha digital, ou seja, a distância que separa quem tem mais, menos ou nenhum acesso às novas ferramentas da tecnologia, pode reproduzir ainda mais esse tipo de exclusão digital. Esse é um dos resultados do estudo “Lápis, Borracha e Teclado – Tecnologia da Informação na Educação – Brasil e América Latina”, que a Rede de Informação Tecnológica Latino-Americana (RITLA), em parceria com o Ministério da Educação e com o Instituto Sangari, lançou hoje em Brasília.

De autoria do sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz, diretor de pesquisas do Instituto Sangari, o estudo utiliza as informações existentes sobre a situação das Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) no Brasil, na América Latina e no mundo, para dimensionar as diversas brechas digitais entre os que têm e os que não têm acesso ao mundo da informática e da internet, especialmente no campo da educação.

Segundo o estudo, essas brechas não existem apenas entre grupos de países – os denominados avançados e em desenvolvimento – mas também no interior deles, apresentando fraturas internas atribuíveis a diferenças espaciais, de raça ou de renda. “Entende-se no trabalho que as brechas nada mais são que uma nova forma de manifestação das tradicionais diferenças e divisões existentes em nossas sociedades e no mundo, novas formas de exclusão que recapitulam e reforçam as diferenças pré-existentes”, destaca Jorge Werthein, diretor executivo da RITLA.

“Entre os estudantes repetem-se as mesmas fraturas geográficas, socioeconômicas e de cor, que encontramos na população total. Espaços que deveriam promover e democratizar o acesso às novas ferramentas tecnológicas acabam beneficiando grupos privilegiados”, observa Ben Sangari, presidente e fundador do Instituto Sangari, um dos patrocinadores do trabalho.

"Este estudo é muito oportuno. Chegou na hora certa. O MEC vem realizando um esforço pela inclusão digital e por uma mudança na prática pedagógica nas escolas", observou o secretário de ensino a distância do Ministério da Educação, Carlos E. Bielshowsky, presente na entrevista coletiva de lançamento do relatório.

Os dados trabalhados no estudo evidenciam que o Brasil experimentou avanços, em alguns casos bem significativos. Mas também que existem ainda sérios problemas a enfrentar. A pesar desse enorme volume de usuários – acima de 35 milhões – o Brasil, quanto à proporção de sua população total que em 2005 teve acesso à internet (17,2%), encontra-se, na América Latina atrás de Chile (28,9%), Costa Rica (21,3%), Uruguai (20,6%) e Argentina (17,8%), e na posição 76 entre os 193 países do mundo pesquisados pela União Internacional de Telecomunicações.

Para acessar o relatório na íntegra (versão apenas para visualização): Lapis Borracha Teclado Lapis Borracha Teclado 5.84 Mb.

Fonte: Rede de Informação Tecnológica Latino-Americana (RITLA)

Postado por: João José Saraiva da Fonseca

Nenhum comentário: