quinta-feira, 14 de agosto de 2008

A mulher de César

Lembram do ditado, à mulher de César não basta ser honesta, tem que parecer honesta.

Penso que a USP terá de refletir sobre o ditado acima quando realizar os próximos convênios, ou então expor todo o processo de modo a que não restem quaisquer dúvidas.


Educadores criticam convênio da USP com a transnacional Monsanto

Parcerias dessa natureza mostram a falta de um projeto social e verdadeiramente público para as instituições do país

"Desconcertante". Assim o professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Roberto Leher, classifica o convênio entre a Universidade de São Paulo (USP) e a transnacional estadunidense Monsanto.

O professor avalia que, mesmo sem ler o contrato, somente o fato de uma instituição de ensino pública fazer uma parceria com essa empresa já é complicado. "Ela atua num campo de atividades econômicas que está no cerne de uma problemática mundial.

Há um vasta bibliografia sobre a forma nefasta, irresponsável, anti-social e anti-ambiental que a Monsanto atua no mundo. Esse convênio soa como uma derrota de projeto da universidade pública pelo fato dela recorrer financeiramente a uma empresa como essa", acrescenta.

A professora de Faculdade de Educação da USP, Lisete Arelaro, mostrou-se bastante preocupada com o projeto. "Não dá para ninguém na USP achar que a Monsanto é benemérita", opina. Ela afirma que ficou surpresa ao ver que foi aceito um convênio com uma empresa tão polêmica:

"Normalmente, a USP não faz parcerias com empresas dessa natureza, porque não quer prestar explicações. Não as nega por motivos ideológicos, mas para não ter 'dor de cabeça'.

Quando a Shell passou a ter sua ação denunciada em Paulínia [a transnacional produz agrotóxicos na cidade paulista e coleciona inúmeras denúncias de contaminação de lençóis freáticos, a maioria admitidas pela própria empresa], ela buscou a USP para
uma parceria, que foi negada", relata a educadora.

Imagem

Lisete conta que diversas transnacionais disputam parecerias com a USP. "Não tenho dúvida de que juntar-se à USP legitima uma empresa. O que se pensa é: se o convênio foi feito com essa transnacional é porque ela é idônea e a proposta é boa", avalia.
Entretanto, as empresas não ganham apenas ao se vincularem institucionalmente à USP, mas com a pesquisa propriamente dita.

Leher, que já foi presidente do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes) - e é doutor pela USP -, afirma que mesmo já tendo visto inúmeros contratos entre instituições públicas de ensino e empresas, a primeira minuta o surpreendeu.

"Fiquei perplexo de ver como a USP - uma instituição respeitada, com excelentes professores e estudantes, com uma contribuição enorme para a educação brasileira - se propõe a assinar um contrato tão neocolonial", analisa. Mais preocupante ainda é que o acordo tenha sido sugerido dentro da própria universidade.

"É triste ver que isso surge de dentro, que não é nenhuma imposição de fora", diz. Mesmo com as alterações, Leher pontua que ao referendar o projeto, a USP "abre mão de seus valores mais preciosos e nega a tradição crítica construída a duras penas
dentro dessa instituição".

Quanto ao sigilo, o educador afirma que é, infelizmente, algo usual em convênios desse tipo. "A Fundação Universitária José Bonifácio, da UFRJ, tem contratos em sigilo com a Petrobras", cita.

Embora comum, Leher condena a prática, oposta aos deveres da universidade, "que deve ser um espaço de livre circulação do conhecimento, liberdade, criação, socialização e crítica dos conhecimentos estabelecidos, atenta à repercussão negativa da ciência para a sociedade e o meio-ambiente", conclui.

Adolescentes

Outro ponto problemático é o público-alvo do convênio: estudantes do ensino médio. "Como uma empresa que tem esse perfil pode ser uma fonte reconhecida como legitima de apoio a uma atividade educativa? De formação sobretudo de jovens?", questiona Leher, para quem esse caso mostra como a universidade pública tem perdido seus referenciais de valores, princípios e ética.

Maria Izabel Azevedo Noronha, presidente do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), vê positivamente projetos que procurem a aproximação do ensino médio e superior públicos, mas condena a busca por
financiamento privado. "Algum retorno a iniciativa privada vai querer. Como será estruturado o curso, o currículo?", questiona.

Para Maria Izabel, se a Secretaria de Educação propôs o projeto à USP, deveria também ter garantido seu financiamento. A medida, entretanto, não chegou a surpreender a educadora. Ao seu ver, essas iniciativas se inserem dentro do modelo de gestão educacional do governo estadual tucano.

"Não há um projeto educacional, não se pergunta qual tipo de estudante queremos formar. Essa união com a iniciativa privada acelera a perda da autonomia da escola pública", finaliza.



Fonte: http://www.brasildefato.com.br edição de 13/08/2008


Postado por João José Saraiva da Fonseca em 14 de agosto de 2008

Nenhum comentário: