sexta-feira, 26 de setembro de 2008

O fim da escola

Numa altura em que se discutem alterações ao ensino universitário, proponho que leiam o artigo de Gilberto Dimenstein: O fim da escola

Gilberto Dimenstein: O fim da escola

Daqui a 25 anos, o que hoje é óbvio para poucos será senso comum: a escolacomo a conhecemos, transmissora de conteúdos avaliados por testes, seráencarada como um sinal de educação de baixa qualidade.

Pelo menos para os filhos da elite, capazes de pagar mensalidades maiores, a escola que avalia o aluno em provas, cobrando a memorização, já terá deixadode existir. Entrar nas melhores faculdades só vai exigir capacidade de raciocínio e de associar informações. Por isso, o ensino de artes e filosofia ganhará espaço nobre.

O fim da escola que aí está implicará professores treinados para atuarem como facilitadores, transitando em várias esferas do conhecimento. As matérias não estarão presas ao currículo definido no ano anterior, mas ao calor do cotidiano.

Os conteúdos estarão ainda mais disponíveis em meios eletrônicos, permitindo, graças à interatividade, que se aprenda em qualquer lugar e aqualquer hora; receber ajuda pelo computador será tão comum quanto estarnuma sala de aula de real.

A escola útil para preparar o jovem ao mercado de trabalho só sobreviverá sepuder ajudar o aluno a gerir a enxurrada de dados e a se tornar umpesquisador permanente. Devido à enorme quantidade de dados disponível, a sociedade será mais escolarizada, a começar das empresas, nas quais o fundamental será produzir, administrar e transmitir inovações a seus funcionários.

Cinemas, teatros, exposições, museus e centros culturais terão fortes núcleos educativos para a formação do público.

O mestre terá uma função que vai lembrar o orientador de uma tese de doutorado; portanto, a escola não mais será dividida em séries estanques, será um espaço sem salas de aula, onde os alunos transitarão com suas dúvidas e curiosidades. Terá um ar de centro cultural. O educador e o comunicador tendem a se aproximar: afinal, o professor terá de tirar proveito dos fatos em tempo real e encaixá-los nas áreas de ciências humanas, biológicas ou exatas.

Para manter seus leitores, ouvintes e telespectadores, a imprensa também vai se aproximar da educação. Não vai apenas transmitir ou interpretarinformações, mas, com o auxílio de recursos tecnológicos, oferecerá salas deaula virtuais e até presenciais para ajudar no entendimento dos fatos. Terá surgido uma nova linguagem (e uma nova profissão), misturando didática com comunicação.

O ensino superior será redefinido para atender a essa demanda. O diploma só terá importância se o seu portador enriquecê-lo não apenas com novos diplomas mas com experiências profissionais.

Daqui a 25 anos, o que já é óbvio para muitos não mais será discutido: os níveis de inovação tecnológica e de mudança veloz dos fazeres e saberes profissionais não mais permitirão que o estudante deixe de ser estudante.

Fonte: Folha de São Paulo / 25 de setembro

Nenhum comentário: