sexta-feira, 8 de maio de 2009

Números sobre a EAD no Brasil

De acordo com notícia publicada hoje pelo portal IDGNOW , a Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED) calcula que, em 2007, mais dois milhões de brasileiros tenham usado ferramentas de e-learning.

Entretanto de acordo com a CBN Curitiba em notícia também de hoje, "segundo estimativas do Ministério da Educação, mais de 750 mil pessoas têm acesso ao ensino a distância em uma das 109 instituições de educação superior a distância espalhadas por todo o Brasil. Esses estudantes já representaram aproximadamente 7% do total de matrículas dos cursos de graduação no país".


De acordo com a Gazeta web de Alagoas
citando "dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep/MEC) comprovam a permanente expansão do sistema de Educação a Distância. De 2003 a 2006, o número de cursos de graduação a distância passou de 52 para 349, um aumento de 571%, de acordo com levantamento realizado pelo Censo da Educação Superior do Ministério da Educação (Educacenso/Inep). O crescimento no ingresso de estudantes nesses cursos também superou expectativas, passou de 49 mil em 2003 para 207 mil em 2006, uma elevação de 315%. O Inep também revelou que as matrículas em educação à distância aumentaram 400%. "

Para o Portal RPC a educação a distância é a modalidade que mais cresce no ensino superior brasileiro. Em 2008, o número de estudantes de graduação chegou a 760.599, um aumento de 91% em relação a 2007. Nos últimos quatro anos, de 2004 a 2008, o salto foi de 1.175%. E, embora os cursos à distância atendam o equivalente a apenas um sexto dos alunos presenciais, eles avançam num ritmo de fazer inveja às faculdades tradicionais.O dado mais recente do Ministério da Educação relativo a cursos presenciais é de 2007, quando havia no país 4,8 milhões de estudantes. Na comparação com o ano anterior, isso representa crescimento de 4,4%. No período 2004-2008, as matrículas presenciais aumentaram meros 17%. “O ensino a distância democratiza o acesso ao ensino superior”, diz o secretário de Educação à Distância do MEC, Carlos Bielschowsky. De acordo com a mesma notícia, o presidente da Associação Brasileira de Educação a Distância, Fredric Michael Litto, aposta que esta modalidade é o caminho para a expansão do ensino superior. Ele lembra que só 12% dos jovens de 18 a 24 anos estão na universidade, índice inferior a países como Argentina, Chile e até mesmo Bolívia. “A educação a distância representa uma possibilidade de mudar esse quadro, saltando dos 12% ou 13% atuais de cobertura para 20% ou 25%”, diz Fredric.


Postado em 8 de maio de 2009 por João José Saraiva da Fonseca ultimas postagens em 9 - 13 de maio de 2009

Nenhum comentário: